Eternizar momentos com plantas e flores

PicMonkey CollageÉ possível eternizar momentos especiais de várias maneiras. A fotografia, por exemplo, é uma forma fácil e rápida de o fazer…

E que tal algo mais artesanal? Já pensou em usar flores e plantas para registar memórias?

Pois é…na minha última viagem a ilha de São Vicente eu dei um pulo até a ilha de Santo Antão (próximo post farei um resumo sobre as coisas lindas que eu vi), e tive uma overdose de VERDE!

Entretanto, sempre que voltava para o hotel eu encontrava folhas e flores espalhadas no chão que caíram das árvores. Catei algumas. Colei no meu diário de viagem e registei onde as encontrei.

Passar os olhos por essas folhas e flores, coladas no papel, despertam momentos sobre uma viagem que pretendo repetir.

“Elas vão secar”.

No dia que essas folhas e flores secarem, eu terei a certeza que a natureza fez o seu trabalho. Eternizou ela mesma no papel, assim como as minhas memórias.

 

 

Art Journal, uma forma colorida de registar a vida

Folhas de revistas e jornais espalhadas pelo chão, pincéis, guaches, lápis de cor e frases soltas. Podes ter a certeza que sou eu a fazer o meu Art Journal. 

image-19b35aaebf73f18b6b1f62078cd14290d4b1d7fb018e7adf31302bcf798eb992-V

Aliás, quem me dera eu poder comprar jornais de arte, como eu compro os jornais comuns. Sei lá, acho que seria uma forma colorida e positiva de se estar informado, também! No dia-a-dia precisamos dessa dose de doçura, acredite.

Pessoalmente, não tenho nenhuma técnica em especial. Faço tudo consoante o que eu achei bonito, alegre e profundo. Até então, tem dado certo. Faz-me feliz. É aliviador.

O que é um Art journal?

Art Journal pode ser um caderno ou diário que contém pinturas, colagens, desenhos, fotografias, frases, reflexões… Cada página partilha um momento, uma ideia ou história.

As memórias são tantas que no papel querem ficar até às tantas…

Art Journal é isso.

DIY Book: Crie uma história e faça um livro!

Toni Morrison, escritora afro-americana, disse o seguinte: Se existe um livro que gostarias de ler, mas que ainda não foi escrito, então tens que o escrever”.  

Reafirmo: crie o livro que gostarias de ler. Faça um livro de palavras, frases, versos, contos, poemas, riscos, rabiscos, desenhos, pinturas, recortes. Crie! Dê a si mesmo o tempo e permissão de contar as tuas histórias. São tantas as que habitam em nós…

Eu não acredito na divisão: pessoas criativas versus não criativas. Acredito, na divisão entre aqueles que fazem uso da sua criatividade e aqueles que não. Seguem abaixo algumas fotografias de como eu criei o meu livro durante uma tarde livre em casa!

BeFunky Design