Uma boa história

20161007_105559Contaram-me uma história com diálogos familiares, ontem. Real. E boas histórias são sobre nós. Pessoas.

“João entra em casa e encontra o pai a ouvir o Empire State of mind do rapper americano Jay Z. Surpreso ele questiona o pai o motivo de ouvir tal musica.

-Pai, esta musica não é para tua idade.

-Filho, a musica está na Internet, qualquer um pode ter acesso.

-Sim, pai…mas, tenta entender não faz sentido ouvires musicas de jovens! Porque não ouves o Roberto Carlos? O cantor do tempo em que ainda namoravas com a mãe.

-Filho, eu posso ouvir o Roberto Carlos, assim como posso ouvir o Jay Z. A minha bagagem está cheia de musicas que ouvi lá trás e aquelas que oiço agora. A minha vantagem? Ser velho.”

Gritamos aos quatro ventos: “SOMOS JOVENS. Jovens!”, como se fosse um atributo. Um plus…

E se, de repente, ter 96 anos fosse uma vantagem para se ser uma modelo de sucesso ou  apresentadora de um programa? Será que a minha avó seria uma candidata? Será que os mais velhos estariam encorajados a continuar a ser o que eles eram antes ou alguma outra coisa? Algo que, aos olhos dos outros, não seria muito apropriado para idade deles?

Sim, porque a sensação que eu tenho é que avançar com a idade é sinonimo de diminuição. As pessoas mais velhas, na sua maioria, estão programadas a diminuir o ritmo. Eu sei, o corpo cansa e as preocupações são outras. 

Mas, não será um mito que o velho precisa “diminuir o ritmo”, de alguma forma?

Eu sempre digo que quero viver muito, pelo simples facto de acreditar que é possível continuar a ser. Sou jornalista, hoje, mas com a plena possibilidade de ser pintora, bailarina, cantora amanhã, porque não? E o amanhã pode significar, eu, Denise com 96 anos.

“A vida é feita de possibilidades”.

 

Anúncios

5 thoughts on “Uma boa história

  1. Eu ainda acho que diminuir o ritmo significa somente isso. Fazer as coisas mais devagar, mas com maior ponderação e qualidade. Fazer de tudo o que se quiser desde que a entrega seja total e isso não tem idade, tem vontade. E sim, a experiência conquista, na maioria das vezes, um porto seguro.
    Excelente tema para reflexão e pesquisa.

    Liked by 1 person

    1. Maria, obrigada pelo comentario! ☺ Diminuir o ritmo é fazer as coisas mais devagar,sem duvida. Mas acho que em alguns casos é além disso…por exemplo: diminuimos o ritmo de sair à noite, depois de uma certa idade, porque não sentimos encaixados em determinados ambientes, nao há outras opcoes ou algum outro motivo…ser jovem tornou-se um rotulo, “voce que é jovem” pode isso ou aquilo, e o velho? Será que há opçoes para além de ser “velho ” para o velho…? A minha avo sempre que é desafiada a ir certos ambientes ela responde: “Naaa…isso é lugar para os jovens. Eu estou velha”. É claro que ela pode nao ter vontade de ir esse tal lugar, mas e se tiver? Será que essa vontade fica repremida? E, consequentemente, faz ela diminuir o ritmo perante a vida?

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s